8.4.12

O Apanhador no Campo de Centeio

Eis um livro estranho...

Faz um bom tempo que quero ler O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger.

Em primeiro lugar, porque esse título sempre me atraiu e, em segundo, devido ao fato de ser um clássico tão comentado.

No entanto, o livro não atingiu às minhas expectativas. Imaginava outra coisa...

A trama é sobre Holden Caulfield, um adolescente de 16 anos, de classe média alta, que foi expulso de um colégio interno de renome.

Holden havia combinado com os pais que iria para casa quarta-feira para passar o Natal. Mas, como ele foi expulso do colégio na sexta, resolveu ficar na rua até quarta para não precisar dar explicações maiores à família.

Durante esse dias, Holden apronta um bocado! Vai a prostíbulos, festas noturas, bebe, fuma, encontra uma ex-namorada, mesmo gostando de uma outra garota, vai à casa de um professor que admira, etc.

Toda a história é narrada por Holden. Então, você acompanha até os seus pensamentos mais estranhos.
É como se você estivesse ali com ele, o tempo todo, sendo o seu melhor amigo.

Eu me diverti lendo o livro, pois Holden pensa e faz muita coisa bizarra. É impossível você não se identificar com ele em alguns momentos.

Você tem doses de humor negro, sarcasmo, sofrimento e, também, bastante realismo durante a leitura.

Mas, o livro, se resume a isso.

Você não vai encontrar nada muito reflexivo e, sim, o cotidiano de um adolescente ambivalente que está de saco cheio de tudo e todos.

Acredito que, na época em que o livro foi lançado, realmente deve ter feito muito sucesso e causado bastante polêmica.

Mas, hoje, temos muita literatura voltada para o público jovem. Além disso, o adolescente de hoje é escutado, coisa que não acontecia antigamente.

O nosso contexto social de agora é um pouco diferente, por isso acredito que esse livro não consegue mais chocar tanto como antigamente.

No entanto, mesmo assim, continua sendo uma obra atual. Pois, adolescente é adolescente independente da década que vivemos. Passa por crises existenciais, gosta de fazer bobagens sem sentido, não pensa muito na consequências à longo prazo, sofre, se diverte e por aí vai....

Além disso, o livro é muito bem escrito. A leitura nos envolve completamente.

Então, se você quer ler um clássico em que o personagem principal é um rebelde sem causa aprontando poucas e boas, fica aí a dica!

"Fico imaginando uma porção de garotinhos brincando de alguma coisa num baita campo de centeio e tudo. Milhares de garotinhos, e ninguém por perto - quer dizer, ninguém grande - a não ser eu. E eu fico na beirada de um precipício maluco. Sabe o que tenho que fazer? Tenho que agarrar todo mundo que vai cair no abismo. Quer dizer, se um deles começar a correr sem olhar para onde está indo, eu tenho que aparecer de algum canto e agarrar o garoto. Só isso que eu ia fazer o dia todo. Ia ser só o apanhador no campo de centeio e tudo. Sei que é maluquice, mas seria a única coisa que eu queria fazer. Sei que é maluquice..."   

Avaliação:


Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/114-o-apanhador-no-campo-de-centeio

Sinopse:

À espera no centeio (O Apanhador no Campo de Centeio na edição brasileira) narra um fim-de-semana na vida de Holden Caulfield, jovem de 16 anos vindo de uma família abastada de Nova York. Holden, estudante de um reputado internato para rapazes, volta para casa mais cedo no inverno depois de ter recebido más notas em quase todas as matérias e ter sido expulso. No regresso a casa, decide fazer um périplo adiando assim o confronto com a família. Holden vai refletindo sobre a sua curta vida, repassa sua peculiar visão de mundo e tenta definir alguma diretriz para seu futuro. Antes de enfrentar os pais, procura algumas pessoas importantes para si (um professor, uma antiga namorada, a sua irmãzinha) e tenta explicar-lhes a confusão que passa pela sua cabeça. Foi este livro que criou a cultura-jovem, pois na época em que foi escrito, a adolescência era apenas considerada uma passagem entre a juventudade e a fase adulta, que não tinha importância. Mas esse livro mostrou o valor da adolescência, mostrando como os adolescentes pensam.




Esse livro faz parte da lista que escolhi para o Desafio Sete Clássicos em 2012 do blog Desalienando.







Feliz Páscoa pessoal!! \o/

Até o próximo post! :)

13 comentários

  1. Gostei da tua resenha, não conhecia o livro em questão e também não me vi muito interessada em ler rs'

    Bj;*
    Naty.

    ResponderExcluir
  2. Oi amiga, espero que você tenha tido um bom feriado, e que e este restinho de domingo de Páscoa seja cheio de paz, pois amanhã já é dia de luta, e eu sei que o leão de amanhã já está a sua espera.
    Eu ganhei este livro da minha norinhas, e há tempos que ele fazia parte das minhas leituras desejadas, mas ele está ali na fila e ainda não chegou a sua vez. Porém, agora, lendo sua resenha me desanimei um pouco, pois eu esperava que ele fosse um excelente livro, tipo nota 11. O título é muito lindo, filosófico,inspirador. Mas parece que é uma casca de banana, assim como Olhai os lírios dos Campos, ou ainda, Por quem os sinos dobram.Li estes dois e confesso que são muito bom de nomes, mas não cumprem o que prometem. Adorei sua resenha como sempre. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Amiga...
    Costumo dizer que "só os livros nos livram!".
    Parabéns pelo blog!
    GK

    ResponderExcluir
  4. Humm, não sei se coloco na minha lista de VOU LER esse...
    Não rolou quimica sabe? kkkkkk

    Bjos...

    ResponderExcluir
  5. Não gosto muito de rebeldes sem causa, toda essa coisa adolescente me aborrece um bocado, acho que não faz meu tipo.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com você: o contexto atual é muito diferente daquele do livro, mas as inquietações adolescentes são sempre as mesmas. Também não achei excepcional, mas gostei.
    bjo

    ResponderExcluir
  7. Oi Angélica!
    Acredita que por mais que conhecesse esse título de nome, não sabia exatamente do que a história se tratava?
    Mesmo você não tendo gostado tanto, me interessei bastante pela história. Realmente acho que você está certa em relação ao contexto social influenciar bastante no potencial inovador da leitura; hoje em dia o assunto talvez esteja um pouco manjado, mas ainda assim acho que é válido, até porque a abordagem parece ser diferente e mais densa - ao menos à primeira vista rs
    Me interessei pelo livro. E também lembrou-me que ainda não li nenhum da minha listinha do desafio de clássicos (vergonha). Vou ver se consigo colocar ainda na lista deste mês!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Angélica,

    Já ouvi falar muito sobre ele e sempre tive curiosidade de ler, ainda não tive foi oportunidade.
    Realmente com tanto livro para este público hoje os livros mais antigo vão ficando meio sem graça, mas ainda tenho vontade de ler algum dia. rs

    beijos

    ResponderExcluir
  9. Pronto né, já quero ler esse livro depois dessa maravilha de resenha!!!

    beijinhos flor!!!

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia o livro, Angélica, mas achei interessante.
    Hoje realmente não a história deste livro já não é impactante, já que tem tantos títulos voltados para o publico adolescente.
    Vou ler assim que puder.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Angélica, tem como eu participar ainda do "Sete Clássicos em 2012"? Eu to com algumas ideias de projeto, queria trocar algumas coisas com você.

    Abraços de João.

    http://lugardoleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá
    sempre escutei falar do livro, mas nunca li.
    Agora despertei a curiosidade.
    Ótima resenha.

    Lucas / Era uma vez...
    livrosecontos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. O livro é meio datado mesmo, mas ele nunca foi exatamente um best-sellers, o que ficou famoso é o fato de você estar dentro da cabeça de Holden. Gosto muito do livro e sempre sombra de dúvida é um clássico, todos deviam ler.
    boa resenha
    abs
    Jussara

    ResponderExcluir

Comente, participe dos bate-papos que rolam por aqui!!

Últimos Instagrams

© Pensamento Tangencial. Design by FCD.