15.5.12

O Amante

Sabe quando você lê um livro que consegue tocar no fundo da alma?

A leitura de O Amante, de Marguerite Duras, foi exatamente assim para mim.

Marguerite Duras foi uma grande escritora, dramaturga e cineasta, que nasceu em 1914 na Indochina Francesa (atual Vietnã) e, posteriormente, mudou-se para a França.

O seu livro, O Amante, é um íntimo relato de sua adolescência.

É um relato sensível e, para alguns, uma leitura um pouco difícil.

A narrativa da autora não segue uma linha do tempo de forma sequencial. As passagens de sua vida vão e voltam a todo o momento. Ela mistura o passado com o presente e, por isso, a leitura deve ser realizada com atenção.

É impossível você não se envolver com o modo de escrever da autora. Os sentimentos transpassam as páginas deixando a obra poética e, por vezes, melancólica.

A trama é sobre uma menina de 15 anos, que se envolve com um homem mais velho, de 26 anos – o amante.

Ela provém de uma família branca e pobre. Já, ele, é de descendência oriental e pertence a uma família rica.
Em vista disso, o romance se torna impossível. Pois, o pai do “amante” jamais irá permitir o relacionamento.

Em contrapartida, a menina não gosta do “amante” como ele gosta dela.
Ela gosta de conviver com ele entre quatro paredes, mas nada além disso. Já, ele, a ama perdidamente.

A família da menina é complicada... A mãe possui Transtorno de Humor Bipolar, o irmão mais velho é dependente químico e o irmão mais novo, por quem ela nutre mais carinho, tem uma morte precoce.

A mãe deixa claro a todo o momento que o filho mais velho é o preferido entre os três, fazendo com que a menina sinta-se menosprezada.

Enfim, O Amante é um clássico que envolve o leitor por completo.

Você sofre com as questões com as quais a menina se depara e, assim como ela, sente-se melancólica por várias vezes no decorrer da leitura.

O fim surpreende. Pode-se dizer que as coisas terminaram melhor do que eu imaginava.

O livro é uma leitura rápida, pois é bem pequeno. Possui apenas 128 páginas.
Assim que cheguei ao fim, o li novamente para entender melhor alguns fatos que ocorreram.

Esse livro entrou para os meus favoritos! Com certeza lerei outras obras da autora!

Mas, volto a dizer, esse é um livro para pessoas sensíveis que gostam de sentir as emoções fluindo entre uma página e outra.


Não é um livro para ser lido às pressas. Se você fizer isso, com certeza não irá apreciá-lo.

Para os leitores exigentes, indico!!!

Avaliação:



Skoob:

Sinopse:
Considerado o livro mais autobiográfico da escritora, dramaturga e cineasta Marguerite Duras (1914-1996), "O amante", escrito em 1984, recebeu o Prêmio Goncourt, o mais importante da literatura francesa e se consagrou como sua obra mais célebre. O romance narra um episódio da adolescência de Duras: sua iniciação sexual, aos quinze anos e meio, com um chinês rico de Saigon. Se as personagens e fatos são verídicos, a escrita os transfigura e transcende; não sabemos em que medida a história é verdadeira. Os encontros amorosos são, ao mesmo tempo, intensamente prazerosos e infinitamente tristes; a vida da família contrapõe amor e ódio, miséria material e riqueza afetiva. A presença da mãe, sua desgraça financeira e moral, do irmão mais velho, drogado, cruel e venal, e do irmão mais novo, frágil e oprimido, constituem uma existência predominantemente triste, e por vezes trágica, de onde Duras extrai um esplendor artístico que se reflete em sua própria pessoa - personagem enigmática, quase de ficção. Tem sido dito que ler este livro é como folhear um álbum de fotografias - a narrativa se desenrola em torno de uma série de imagens fascinantes. Esse trabalho primoroso com as imagens também pode ser verificado nos mais de vinte filmes dirigidos por Duras e na possibilidade de seus textos se transformarem em filmes, como o fez Jean-Jacques Annaud com "O amante" em 1991.

Para quem não sabe, também existe um filme baseado na obra da autora - The Lover.
Eu ainda não o assisti... Mas segue o trailer abaixo:




Um pouco sobre a autora Marguerite Duras:

Marguerite Duras nasceu em Gia Dinh, na  Indochina  (agora  Vietnam),  em  1914,  onde  passou  a  infância  e  a adolescência.  A autora irá ficar profundamente marcada pela paisagem e pela vida da antiga colónia francesa, frequentemente referidas na sua obra literária.

O seu pai morreu quando tinha quatro anos de idade, e a sua mãe, uma professora, lutou arduamente para criartrês  filhos  sozinha.   Durante   a  adolescência,  Marguerite  Duras  teve  um  caso  com  um  homem  chinês  rico  e  retorna mais tarde a este período nos seus livros  (nomeadamente  O Amante e  O Amante da China do Norte). Aos 17 anos viajou para França, onde estudou Direito e Ciência Política no Sorbonne, formando-se em 1935.

Durante a II Guerra Mundial, marguerite Duras tomou parte da da Resistência Francesa, filiando-se também no partido comunista.





Esse livro faz parte da lista que escolhi para o Desafio Sete Clássicos em 2012 do blog Desalienando.

18 comentários

  1. Angélica,
    Nunca tinha ouvida falar desse livro, mas confesso que sua resenha me deixou intrigado, parece ser uma leitura densa e envolvente. Boa dica!

    http://sempre-lendo.blogspot.com.br/

    Abraços
    Juan

    ResponderExcluir
  2. Eu não conhecia a autora e seu livro, mas me interesse em saber um pouco mais sobre sua estória e o que acontecem com os amantes!

    Bjs

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Não seria o tipo de livro que eu compraria pela capa,
    mas sua resenha excelente; me fez apreciar o livro =D

    Lucas / Era uma vez...
    livrosecontos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Angélica!
    Nunca tinha ouvido falar nesse livro! Com certeza, se o visse na livraria, também não o compraria... Mas depois de ler sua resenha fiquei com vontade de ler. A história me pareceu ser bem triste, gostaria de ler para saber se tem um final feliz para a menina e seu "amante".

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  5. Oi Angélica!
    É a primeira vez que leio sobre esse livro e fiquei encantada. Gosto de livros que despertam sentimentos quando lemos, e acredito que esses são os melhores. Gostei muito da sua resenha, vou procurar o livro, esse parece ser aquele que deve ficar na gaveta do criado mudo.
    Abraços,
    Amanda
    http://vceoqueler.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi amiga, sumi? só um pouquinho. Tô meio sem tempo.
    Tomo como preferido logo de cara esse livro, nunca vi o bendito, mas só pelo fato dos envolvimentos e conflitos familiares já me cativou. Vou colocar na linha lista.
    Dei uma parada merecida nos clássico. Merecida, por eles viciarem. Sim, você fica acostumada na linguagem mais elaborada e não aceita a mais simples, ou popular. vou concertar, não é parada, é uma pause. Depois eu volto.
    Adorei sua resenha, beijos

    ResponderExcluir
  7. Juro que nunca tinha ouvido falar desse livro.
    Mas parece ser realmente um livro envolvente. Primeiro pela diferença de idade entre os personagens envolvidos. Esse é sempre um ponto que gera um certo clímax no livro. E ainda ter essas diferenças sociais... nossa, parece ser ótimo. E ainda é pequeno, ótimo isso!

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  8. Adoooro livros assim!
    Vou agora coloca-lo na minha estante!
    Valeu a dica!

    ResponderExcluir
  9. Oi Angelica!

    Não conhecia esse livro, nunca cheguei a vê-lo em uma livraria, ou site ou outro blog. Já que a narrativa oscila entre passado e presente toda hora, é mesmo necessário um pouco de atenção para não perder algo. a história interessante. É contrária ao que vemos, ela só gosta dele entre quatro paredes, já ele a ama mesmo. Toda a família dela é peculiar, acho que já rende uma boa história, o que me surpreendeu é que diante disso tudo o livro seja tão fino.

    Beijos :D
    Ensaios de uma Leitura

    ResponderExcluir
  10. Oi Angélica!
    Sempre gosto das suas indicações. O livro parece ser ótimo. Adoro histórias densas, e como também gosto muito de sentir as emoções fluindo por causa de um livro tenho certeza de que irei gostar. Não o conhecia mas já está anotado! Fora que adorei saber que o final não é tão triste assim haha Admito que sou uma apaixonada por finais felizes.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Oi Angélica, um livro com certeza diferente. Não tinha conhecimento dele antes de ler sua resenha, mas gostei da história, mesmo que seja bem simples e dramática. Talvez seja um livro que eu leia mais tarde, o fato de ele ser curtinho ajuda também, né? hehe

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Olá (:
    Muito boa a resenha. Eu não conhecia esse livro e apesar da história me parecer ser bacana, eu acho que não iria gostar. Não é muito meu gênero, sabe? Mas eu sou teimosa e acaba lendo sobre vários temas de livros, enfim UAHSUAH Mas enfim, que bom que gostou muito do livro :D Eu ainda não li nenhum esse ano que me fizesse amá-lo profundamente UAHSUAHSUA

    Beijos, Vanessa.
    This Adorable Thing

    ResponderExcluir
  13. Olhinhos brilhando *-*

    Acho que iria amar este liiiivro!!
    Pena que estou com tantos na pilha de leitura que tenho consciencia de que esse ano nao consigo encaixar mais nd ;/
    Mas vou deixar anotadinho aqui pra ler!

    Beijocas!
    Rapha ~Doce Encanto

    ResponderExcluir
  14. Geralmente eu não simpatizo muito com homens que tem casos com meninas da 15 anos, sei lá, acho estranho, a ideia de pedofilia não me sai da cabeça, acho que não me sentiria confortável lendo esse livro... pode ser que eu esteja errada mas, é o que eu penso.

    ResponderExcluir
  15. Oi Angélica, já li muito clássico, muito mesmo, nacionais então nem se fala, mas acho que não tenho mais paciência. O tipo de escrita desses livro é mais rebuscada, um vocabulário diferente e narrativas cheias de voltas e descrições.
    Talvez esse livro não seja assim, mas ainda é um clássico e provavelmente terá uma dessas características.

    Preciso voltar a ler livros assim, que mexem com nossa alma e coração, de verdade. Mas por enquanto vai para lista de futuras leituras.

    Beijos
    Caline - Mundo de Papel

    ResponderExcluir
  16. Acredita que eu não conhecia, apesar de ser um clássico
    Fiquei lendo aqui e vendo que é bom
    E também não sabia desse filme, parece ser bom

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Desde que assisti a Hiroshima, meu amor estou a fim de ler algo dessa autora. Fiquei com mais vontade agora.
    Tks pela dica!
    bjo

    ResponderExcluir
  18. Oi Angélica!
    Mesmo sendo um clássico eu não conhecia o livro, parece ser ótimo, bem emocionante. Fiquei muito curiosa para ler, este com certeza vai para a lista ;)

    Beijos
    Lis - Batalha Literária

    ResponderExcluir

Comente, participe dos bate-papos que rolam por aqui!!

Últimos Instagrams

© Pensamento Tangencial. Design by FCD.