3.4.14

Nu, de Botas

Tenho uma nova meta literária para este ano: ler mais livros nacionais!

Fiquei apavorada quando, através da Retrospectiva Literária, notei que havia lido apenas um livro nacional durante o ano. O.o Isso é inadmissível! A gente perde tanto tempo com livros "meia boca" de escritores estrangeiros e deixa de ler diversas obras de autores brasileiros consagrados.

Num dia desses, organizando a minha estante, deparei-me com Gabriela Cravo e Canela, do Jorge Amado, A Paixão Segundo G.H., da Clarice Lispector, 1808, do Laurentino Gomes e até mesmo o grande livro de fantasia A Batalha do Apocalipse, do Eduardo Sphor! Todos esses livros comprei há mais de um ano e - pasmem! - nenhum deles foi lido ainda. E o pior é que são livros que eu tenho muitaaa vontade de ler!

Então resolvi colocar um ponto final nesse lance de perder tempo lendo vários lançamentos que, cá entre nós, são umas bombas na maioria das vezes. A partir de agora, vou dar preferência aos livros que estão na minha estante e aumentar o número de livros nacionais lidos no ano.

E, para colocar o meu plano em prática, selecionei para ler Nu, de Botas, do Antonio Prata, publicado pela Companhia das Letras. Posso dizer que não me arrependi nem um pouco com a minha escolha! Pois, o livro é bom demais! Uma leitura leve, divertida, sensível e lotada de pitadas de humor inteligente.

Os paulistanos, provavelmente, já ouviram falar no autor. Prata possui uma coluna no jornal Folha de São Paulo onde delicia os leitores com suas crônicas.

Em Nu, de botas, o autor nos faz viajar por um mundo visto pelo ponto de vista de uma criança. Essa criança é ele próprio que inicia o livro com três anos e termina entre os oito/dez anos. Prata narra com delicadeza o universo repleto de novidades e de situações bizarras pelas quais passamos no decorrer da nossa infância.

É impossível você não sentir uma sensação nostálgica ao relembrar das brincadeiras e descobertas, bem como a época de escola e o papel desempenhado pela família.

Eu ri pra caramba durante a leitura! E emocionei-me em alguns trechos.
Prata conduz o leitor com maestria entre os capítulos e deixa aquele famoso gostinho de quero mais!

Enfim... Se você está com vontade de ler algo leve, divertido e, ao mesmo tempo, sensível, Nu, de Botas é uma boa pedida!  Super indico!

* Confira mais detalhes sobre a obra na sinopse. ;)

Avaliação:



Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/352196-nu-de-botas

Sinopse:
Em Nu, de botas, Antonio Prata revisita as passagens mais marcantes de sua infância. As memórias são iluminações sobre os primeiros anos de vida do autor, narradas com a precisão e o humor a que seus milhares de leitores já se habituaram na Folha de S.Paulo, jornal em que Prata escreve semanalmente desde 2010. Aos 36 anos, Prata é o cronista de maior destaque de sua geração e um dos maiores do país. São de sua lavra alguns bordões que já se tornaram populares - como “meio intelectual, meio de esquerda”, título de seu livro anterior e de um seus textos mais célebres -, bem como algumas das passagens mais bem-humoradas da novela global Avenida Brasil, em que atuou como colaborador de João Emanuel Carneiro. Prata também é um dos integrantes da edição Os melhores jovens escritores brasileiros, da revista inglesa Granta. As primeiras lembranças no quintal de casa, os amigos da vila, as férias na praia, o divórcio dos pais, o cometa Halley, Bozo e os desenhos animados da tevê, a primeira paixão, o sexo descoberto nas revistas pornográficas - toda a educação sentimental de um paulistano de classe média nascido nos anos 1970 aparece em Nu, de botas. O que chama a atenção, contudo, é a peculiaridade do olhar. Os textos não são memórias do adulto que olha para trás e revê sua trajetória com nostalgia ou distanciamento. Ao contrário, o autor retrocede ao ponto de vista da criança, que se espanta com o mundo e a ele confere um sentido muito particular - cômico, misterioso, lírico, encantado.

Até a próxima! E leiam mais nacionais!!
Nada de ficar "lambendo" os estrangeiros! :p

5 comentários

  1. Parece legal mesmo, e a capa é tão bonita!
    Eu até que estou gostando dos lançamentos desse ano, já tive algumas boas surpresas.

    ResponderExcluir
  2. Mais uma resenha muito boa desse livro. Animador, já que estou com ele na minha pilha de leituras. O aspecto que mais tem me animado em relação a ele é o humor, o pessoal na blogosfera tem rido bastante com o livro e isso é no mínimo interessante.

    Beijão! Livro Lab

    ResponderExcluir
  3. a capa do livro é legal.
    confesso que não conhecia ele :) assim q der vou dar uma conferida.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  4. Oie Angel
    A literatura nacional tem me surpreendido muito ultimamente. Ano passado também não li tantos, mas este ano acrescentei vários a minha meta, e pretendo dar prioridade a eles.
    Esse eu não conhecia, mas adoro histórias nostálgicas que nos fazem revisitar nossa infância.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Angélica, eu admito que também estou precisando ler mais nacionais e alguns clássicos também. Decidi que em 2014 vou dar mais atenção a esses dois tipos de livros.
    Esse livro parece super legal, uma leitura deliciosa. Vou anotar a dica.

    Beijos
    mundo-de-papel1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Comente, participe dos bate-papos que rolam por aqui!!

Últimos Instagrams

© Pensamento Tangencial. Design by FCD.